Dietoterapia Chinesa e Nutrição

A Medicina Tradicional Chinesa atua em diversas áreas da saúde humana. E já que dia 31 de Agosto foi o Dia do(a) Nutricionista, vamos falar de Dietoterapia Chinesa e a Nutrição:

No post de hoje nós vamos te contar:

  • Dietoterapia e Culinária Chinesa
  • Entendendo a Dietoterapia Chinesa
  • Não é só sobre o Alimento em si

Vamos lá?!

Dietoterapia e Culinária Chinesa

A culinária chinesa é uma das mais apreciadas do mundo, tanto em seus pratos mais simples como nos mais elaborados. No entanto, o que poucas pessoas sabem é que ela se fundamenta na medicina tradicional chinesa (MTC) e mantém, desde tempos remotos, um enorme poder terapêutico. Isso fez com que fosse adotada a terminologia “Terapia alimentar” ou “Dietoterapia” para designar o direcionamento nutricional para prevenção, controle e cura de doenças.

A Dietoterapia Chinesa difere muito, em seus fundamentos técnicos, daquela preconizada por nutricionistas com formação ocidental. Por isso, sua aplicação exige formação específica na área.

Entendendo a Dietoterapia Chinesa

De acordo com a Dietoterapia chinesa, entre as características mais importantes daquilo que comemos estão o sabor e a energia, que manterão o equilíbrio do ser humano. O sabor diz respeito à propriocepção gustativa que está presente em cada alimento, e é dividido em cinco categorias:

  • amargo,
  • azedo,
  • picante,
  • doce e
  • salgado.

Já o conceito de energia não é o mesmo adotado no Ocidente. Por aqui, o termo diz respeito à energia produzida pelo corpo e proveniente da ingestão de carboidratos, proteínas e gorduras totais. Encontramos esse valor com facilidade nos rótulos de muitos produtos, expresso na forma de quilocalorias (kcal) ou quilojoules (kJ).

No Oriente, porém, o conceito de energia é mais abstrato e não pode ser contabilizado. Segundo as bases teóricas da MTC, tudo aquilo que ingerimos é dotado de uma energia vital denominada qi, e que também alterará a energia do ser que a ingere. Uma forma de categorizar o qi de cada alimento se dá por meio de um dos pilares da MTC: a teoria do yin e yang.

Os pratos compostos por alimentos medicinais chineses seguem receitas tradicionais e técnicas baseadas na maneira como o corpo humano opera cada um deles, com a finalidade de manter a saúde, afastar ao máximo as doenças ou minimizá-las quando já instaladas.

Quando pensamos em DC, muitas vezes não estamos trabalhando apenas com alimentos propriamente ditos, mas também com ervas e temperos que irão compor um prato. Esse procedimento, por ser tão rico e efetivo, não é empregado apenas na China, mas em muitas outras culturas e escolas médicas naturalistas. Um tempero é capaz de realçar o sabor de um alimento e potencializar seus benefícios.

Não é só sobre o Alimento em si

Ao pensar na finalidade terapêutica dos alimentos segundo a MTC, não priorizamos somente o que comemos, mas como comemos.

Um aspecto importante e defendido pela DC é que determinado alimento é obtido na natureza em determinada época do ano. A natureza sabe o porquê de ele ser oferecido nesse ou naquele momento.

Texto por: Profª. Rafaela Carvalho

Interessado em aprender sobre MTC?

Entre em contato com a gente, e comece hoje mesmo sua Formação em Acupuntura. Temos modalidades de estudo presencial e online!

Gostou deste artigo?

Veja mais Notícias sobre MTC aqui.

Acompanhe o nosso Instagram e assista lives semanais.

Compartilhe esse post

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on email